caráter

Amor sem fronteiras, nem de espécie.

Postado em Atualizado em

Encorajar pessoas a fazer sua parte parte para fazer o mundo melhor é #fatoBom!

Assistindo a um tocante vídeo de um chipanzé retribuindo o que recebeu, resolvemos investigar. Percebemos que já conhecíamos a simpática senhora de cabelos brancos, que já inspirou filmes e tem um que retrata sua trajetória.

the_Jane_Goodall_Institute_of_Canada

Trata-se da Dra. Jane Goodall, primatologista, que em 1960, aos 26 anos, viajou para a Tanzânia para adentrar no pouco conhecido mundo dos chipanzés, que nem mesmo ela conhecia à época. Hoje, aos 75, completou 20 anos vivendo esta realidade e seu Instituto reúne 150mil membros em mais de 130 paises.

Navegar no que te inspirou é #fatoBom!

Abaixo alguns Links complementares:

Vídeo Curto (Mesmo Link acima)

Vídeo Completo (5:05)

Janes Reasons for Hope

National Geographic (5:53)

Diabetes e Qualidade de Vida

Postado em Atualizado em

Pâncreas Artificial
Eu particularmente acompanho a evolução da tecnologia relacionada ao diabetes desde que me entendo por gente. Meu pai era portador de diabetes infanto (tipo 1) desde os 2 anos de idade (1947), sua expectativa de vida era 16 anos. Ele a superou, construindo uma vida e uma família.
 
Estudou medicina para se tornar cirurgião, mas, como  “a vida é o que acontece enquanto fazemos outros planos” (Lennon), ficou cego aos 27 anos em função da retinoplastia diabética. Passou por 2 cirurgias caras e complexas, uma em Londres e outra em Los Angeles, voltando a enxergar parcialmente, até ficar completamente cego aos 32. Me viu bebê neste período.
 
Em função da cegueira, decidiu abandonar a cirurgia e se tornar endocrinologista. Não satisfeito, foi reconhecido como um dos melhores do país, clinicando, pesquisando e apresentado seus resultados. Nos congressos, contava com os olhos de minha mãe para organizar os slides. No consultório, tinha a ajuda de um médico mais novo. Na pesquisa, contava com a tecnologia: o OPTACOM, um aparelhinho que dava estímulos elétricos para cada letra. E para andar nas ruas, quando circulava ao redor de nossa casa, servia-se dos meus ombros.
 
Não, não havia sintetizadores de voz para ler aos cegos. Não havia cirurgias a laser para corrigir a retinoplastia, especialmente no Brasil. Não havia chocolates DIET de qualidade. Havia pouquíssimos adoçantes, poucas alternativas. Havia poucos fármacos eficientes. A insulina não era sintética e muitas vezes era experimental. Não havia injetores por pressão, especialmente portáteis. Com isso, vivia injetando insulina com seringas de vidro e agulhas de aço esterilizadas no fogão. Muito ainda pode ser feito, mas certamente estamos evoluindo.
 
Ele era independente e surpreendente, um farol na minha vida e na de muitos que me param até hoje, 27 anos após sua morte aos 42 em 1987, para contar histórias e dizer como ele mudou suas vidas. Ter conhecido Antônio Mollicone, o Tonico, é #fatoBom.
 
Abaixo uma das promessas para melhorar a dosagem da insulina, em diversas abordagens:

Feliz dia dos criadores de pássaros!

Postado em Atualizado em

As crianças são fonte de luz e vida, que criamos para chegarem à vida adulta com energia e esperança para fazer transformações que não mais temos energia para fazer. Entendo que era sobre isso que Sócrates falava, ao dizer que os filhos são a eternidade do homem, pois só os deuses são eternos.
Crie seus pássaros para voar, não para ficar embaixo de suas asas. 
Os sonhos são nossas asas, nunca corte as deles.
Livros e músicas alimentam sonhos.
Segue um alpiste:

Coldplay – Paradise (Peponi) African Style (ft. guest artist, Alex Boye) – ThePianoGuys

Bilhete premiado perdido é devolvido ao dono no Rio Grande do Sul

Postado em Atualizado em

O distraído sortudo acabou perdendo o comprovante logo após fazer a aposta na saída da agência. O comprovante foi encontrado e devolvido aos funcionários da lotérica.
Após o sorteio os funcionários descobriram que o bilhete estava premiado. As câmeras de segurança filmaram o momento em que o sortudo derrubou o comprovante da aposta. A partir das imagens foi identificado o dono do bilhete e iniciou-se uma corrente para localiza-lo.

A busca durou duas semanas e ao ser encontrado comentou que joga esses mesmos números há dois anos. Ele acertou quatro número da mega sena e ganhou um prêmio de R$800.

Fonte: G1

Gentileza Policial

Postado em Atualizado em

Esta semana fomos abordados em uma blitz e, com autoridade e cordialidade, fomos orientados por um soldado da PM-BA. Ser parado e orientado com gentileza pela Policia Militar é #fatoBom. Nem sempre os agentes do dever agem com a devida cordialidade, mas isso não pode ser considerado a regra. 
 
É preciso resgatar a percepção que somos todos seres humanos. Você pode pensar que foram eles que esqueceram disto, mas na verdade muitos de nós já nos esquecemos que eles sāo alguns de nós que dedicam a vida para proteger e servir.
 
Tratar o Policial com o respeito e cordialidade devidos, na maioria das vezes, significa ser tratado do mesmo modo. Gentileza gerando gentileza é #fatoBom.
 
 

Funcionária da Vivo se recusa a mentir

Postado em Atualizado em

#fatoBom é manter o caráter.

Foi o que fez uma funcionária da Vivo no Rio Grande do Sul. Ela teria sido orientada a informar aos consumidores que o sistema pré-pago estava fora do ar, pois a operadora queria focar na venda dos planos pós-pagos.

Foi demitida ao recusar-se a mentir aos clientes e ainda acabou sendo alvo de chacota e xingamento dos colegas de trabalho. Segundo o TRT a Vivo cometeu assédio moral ao violar a liberdade de consciência da funcionária.

O tribunal definiu R$ 50 mil reais de indenização por danos morais.

Fonte: Folha de S.Paulo

Escolher o caminho da verdade é #fatoBom

 

Manifesto de Criação

Postado em Atualizado em

  Uma propaganda antiga já perguntava “vai continuar, ou vai desistir?” Até mesmo de forma inconsciente, quantas vezes nos fazemos esta mesma pergunta? Vamos continuar sendo corretos, com tantos corruptos “se dando bem”? Vamos continuar acreditando na política, na polícia, no patrão, etc? Vamos continuar acreditando no outro? Vamos continuar dando duro, podendo morrer brutalmente vítimas da violência urbana?

   No fundo estas perguntas são fruto de uma das mais básicas reações fisiológicas, a descarga de adrenalina que nos leva a um questão crucial, fugir ou enfrentar.

Esta decisão é tomada em um nível inconsciente, afinal se você parar para pensar se correr o bicho pega ou se ficar o bicho vence, você já perdeu. Este nível inconsciente da decisão leva muitos à deserção, mesmo que racionalmente aquele indivíduo tenha um rigor moral que o diga para continuar e enfrentar a situação.

     Muitas vezes o que é transmitido para você influencia de forma definitiva esta decisão. Como exemplo, imagine que um navio enfrenta uma tempestade e todos acreditarem que ele vai afundar, então todos correrão desesperados para os botes e ninguém ficará para evitar que ele afunde. Em outras palavras, quem detém a informação, detém o poder de gerar pânico ou de evitar que o navio afunde.

   Ter informações precisas e adequadas não significa negar a tempestade, nem ignorar o grau de inclinação de um navio, significa saber o que está ocorrendo de forma clara e sem derrotismos, algo como “pode continuar bombeando água que a inclinação não está piorando”. Num navio a informação é relativamente bem controlada pelo capitão, mas no dia a dia não fica tão claro quem está no comando e se tem alguém se beneficiando com o afundamento do nosso navio.

Vivemos um turbilhão de notícias ruins, o tempo todo, tornando nossa realidade uma tempestade e nossa vida um grande stress. Nessa situação o grau de confiança no outro e nas instituições leva a ser racional a deserção, ou seja, até mesmo os de grande rigor moral correm para os botes. É preciso olhar para frente, enxergar o farol que desponta no horizonte. Apontar na direção do farol é papel deste movimento, ser um farol para quem busca também.

Buscar e mostrar boas notícias, #fatoBom a cada dia, um farol de luz na nossa tempestade. Mostrar o que há de bom ao nosso redor, elevar a estima dos membros de diversas instituições que realizam um trabalho muitas vezes invisível. Estamos aqui para ajudá-lo a ver o farol, precisamos de você para nos municiar com notícias relevantes em sua área de atuação. Espalhe este #fatoBom!