caridade

Dicionário Audiovisual – Altruismo

Vídeo Postado em Atualizado em

image

Não há nada errado em esperar algo em troca, seja do outro, seja da vida. O que você vem esperando? Quanto maior a espectativa maior a decepção quando o que se espera é retribuição.

O homem retratado no vídeo recebe de volta muito mais do que poderia esperar.

Genial e emocionante campanha da uma seguradora tailandesa Thai Life Insurance.

Altruismo é isto, agir pensando no bem do outro. Altruismo na dose certa é #fatobom.

Clique na foto ou no link a seguir para assistir o vídeo.

Um menino inteligente

Postado em Atualizado em

image

“Olá, senhor juiz. Minha avó disse que eu podia deixar um recado aqui, que o senhor ia ver. Tenho 11 anos e sou filho da … Sei que o senhor vai lembrar, sou neto da… e só queria agradecer ao senhor. Cresci vendo meus pais fazendo coisa errada e sendo presos. Por muitas vezes entrei na prisão para visitar meu pai ou minha mãe. Por muitas vezes vi eles ganharem a liberdade e novamente serem presos. Mas hoje esse é um passado que não faz mais parte do meu presente. Quis Deus que meu pai saísse da prisão em dezembro, de condicional e fosse trabalhar. Minha mãe, quis Deus que ela ficasse bem doente e o senhor foi lá soltar. Eu tava segurando a mão da minha vó quando ela foi na sua sala pedir para aquelas moças que alguém fizesse alguma coisa pra minha mãe morrer com dignidade e o senhor fez. Também sou soropositivo, essa escolha não fui eu quem fez, mas tenho direito às próximas. E desde já quero ser um homem honesto. Obrigado, senhor juiz João Marcos.”

Se der Google na carta, encontrá. Mas a história está toda aí, contada por um menino que o próprio juiz ao responder qualificou como inteligente.

Enxergar o outro

Postado em Atualizado em

image

Texto editado, ler Original em O Globo.

O que você pode fazer para melhorar o mundo? Esta pergunta que me passa pela cabeça de forma sistemática desde 1999 veio à tona ao ler esta reportagem.

A resposta que me veio em mente sempre passou por coisas simples  como consumo consciente (não que pratique), agir com correção (não que eu seja correto), fazer o que está no seu potencial e não comparar com o que o outro faz.

A última sempre faz lembrar o “pensar no outro”, considerar o outro. E quando este outro está invisível aos nossos olhos?

Ashley Jiron, dona do pequeno restaurante P.B. Jams, em Warr Acres, no estado americano de Oklahoma, [não estava enxergando este outro] e ficou chocada ao perceber que o seu lixo havia sido revirado por alguém em busca de comida. Mas, em vez de ignorar ou dificultar o acesso de pessoas ao local de armazenamento dos detritos, ela fixou em sua porta um emocionante cartaz.

“Para a pessoa que vai atrás de nosso lixo para sua próxima refeição, você é um ser humano e vale mais que uma refeição de uma caçamba de lixo. Por favor, entre durante o horário de funcionamento para um sanduíche, vegetais frescos e um copo d’água sem nenhum custo. Não farei perguntas. Sua amiga, a dona”, escreveu Ashley no cartaz que se espalhou pela internet e ganhou espaço no noticiário americano.

“Me machuca alguém ter que fazer isso”, disse a dona do restaurante, ressaltando que refeições grátis é o mínimo que ela pode fazer. — Eu acho que todo nós já estivemos na posição de precisar da ajuda de alguém e nós apenas precisávamos de alguém para estender as mãos. E se eu puder ser essa pessoa a estender a mão para outro ser humano, eu farei.

O cartaz ficará fixado na porta do restaurante até que a pessoa apareça. Ashley acredita que o orgulho talvez mantenha a pessoa, mas torce para que ela apareça e aceite o seu convite.

Esta história é um convite para abrirmos os olhos e reconhecer o outro ao redor e, se for do seu alcance, acolhê-lo.

A morte é um dia que vale a pena viver? (ver video)

Postado em Atualizado em

Cicely Saunders
Cicely Sauders

Ter alguém ao seu lado até seu último suspiro é #fatoBom.

Naturalmente que ninguém deseja se tornar e nem deseja que alguém próximo se torne portador de doença terminal. Mas, enxergando a doença terminal como algo que o levará à morte, não estamos todos juntos neste caminho?

Não tenho resposta para o por quê muitas vezes olhamos com pena para o doente terminal, mas certamente o ideal seria olhá-lo com compaixão, o mesmo olhar que merecemos mesmo sadios. Naturalmente o entendimento do sofrimento a que está sujeito o paciente terminal urge mais por compaixão, não somente pelo sofrimento físico, emocional e social, mas também, como lembrado no vídeo pelo sofrimento familiar.

ana_claudia
Ana Claudia Quintana Arantes

Pesquisando um pouco sobre o assunto me deparei com a seguinte declaração: “Eu me importo pelo fato de você ser você, me importo até o último momento de sua vida e faremos tudo que está ao nosso alcance, não somente para ajudar você a morrer em paz, mas também para você viver até o dia da sua morte.” Esta frase de Cicely Saunders traduz bem este sentimento que tentei expressar, tão bem que aparece em uma centena de referências relativas aos Cuidados Paliativos.

Pela definição da OMS os cuidados paliativos se iniciam quando os cuidados curativos não mais fazem efeito. Esta definição pode parecer indicar que o paciente não mais viverá, o que será realmente a única verdade se o olhar dos que estão à volta o declararem morto. Isto que Cicely Saunders e a palestra de Ana Claudia Quintana Arantes na TEDx tentam nos recordar: o paciente terminal está sim vivo e merece respeito e ser tratado, bem como tratar os seus sofrimentos. O tempo dele precisa ser valorizado. Algo que levou um Hospital abrir um Wine Bar.

Conheça a TED.

Exemplo de que honestidade tem vez no Brasil

Postado em Atualizado em

Casa do Caminho

Casa do Caminho é uma entidade que atende 250 crianças e jovens em Poços de Caldas, Minas Gerais, oferecendo creche em período integral e projetos de educação e cultura.

Leia o resto deste post »