otimismo

Princípio[s] Dignidade e Honra

Postado em Atualizado em

Assista o vídeo, talvez você se pergunte: qual o #fatobom ?

Leia abaixo somente depois de assistir.

Assistiu mesmo?

Se trapacear vai perder….

Se chegou a este ponto sem assistir, se corrompeu por menos de 5mim de seu tempo. Ainda há tempo de se redimir.

Então…

Por acaso você pensou, como eu, que há 30 anos pelo menos a situação dos éticos no Brasil é muito difícil (se sim, comente ou mande um email)? Eu cheguei a publicar a quase 20 anos sobre isso e finalizei um mestrado 15 anos atrás, onde me questionava sobre isso.

Qual seria então o #fatobom?

Começo dizendo que é a razão do #fatobom existir (Leia em fatobom.com/about), apontar uma luz para reacender a esperança dos corretos ou dos que desejam ser ou continuar corretos.

Pera, mas porquê perceber que sofremos por anos do mesmo mal é uma luz? Ou, “hoje está muito pior, não há luz nenhuma”.

Ao responder, para facilitar para mim e creio que para você, vou itemizar, talvez não concorde com tudo:

1) a diagnose é o princípio da cura. Somos um país de Fátimas (Não sabe quem é? Vídeo). O Brasil precisa de valores, de quem brigue por ele. Precisamos nos unir para isso, independente de ideologias e partidos (veja diálogos pelo Brasil);

2) A percepção de não estar sozinho nos ajuda a continuar no tratamento. Ao assistir o vídeo reconheci tantas Fátimas que escutei, quantos momentos que tive que ser enfático e brigar por valores. Antes o correto era o otário e a Fátima tinha orgulho, hoje percebo que isso está mudando lentamente;

3) Isto não está no vídeo, mas na minha percepção e observação de otimista racional: em 1999 as instituições que hoje nos dão orgulho e força para continuar eram inexistentes ou sucateadas (ex: PF, MPF, CGU, etc), além das instituições da sociedade civil insipientes e não existiam as redes sociais que fortalecem todas elas;

4) A família sempre ajuda no tratamento. A importância da família é fundamental. O Brasil não será curado ern uma geração, nem duas. Não espere que seus filhos, sobrinhos, irmãos, etc, sejam formados pela escola. Retidão se aprende em casa;

5) Valores são o remédio fundamenta para a cura desse país. E há como levar valores para educação nas escolas, empresas, clubes, em casa, etc. Há diversas iniciativas, a exemplo da Alive, vivendo valores na educação (Leia em fatobom.com algumas iniciativas, como a da ONU fatobom.com/2014/09/19/paz-um-dia-ou-uma-meta/amp/);

6) o vídeo leva a refletir, avaliar, diagnosticar, reconhecer, dialogar, etc.

Consciência, força e esperança, verdadeiro #fatobom.

Muita luz para atravessar a tempestade que nos cerca.

Obrigado pela paciência de chegar até aqui.

Marcelo Mollicone (26/11/2017)

Acordar é #fatobom

Postado em Atualizado em

A quantidade de bom dia que recebemos via redes sociais às vezes nos faz esquecer o quanto “Bom dia!” significa. Às vezes damos bom dia no automático, quase um “dane-se”.

Acordar é um presente, mesmo que uma depressão ou o cansaço venha a te fazer sentir como um fardo. O “bom dia!” com entusiasmo pode iluminar o dia de uma pessoa e lembrá-la de sacudir a poeira e dar a volta por cima.

Fui apresentado a este vídeo pela Andrea, fundadora do Autonomia, que produziu o Humor Azul (leia aqui). Para ter autonomia há de haver esperança!

Quanto às redes sociais, não vamos banalizar o bom dia, use-o sabiamente!

Humor Azul

Postado em Atualizado em

Tem muito a se falar sobre o livro Humor Azul (Rodrigo Tramonte), os Artistas Autistas e o projeto Autonomia.

Para adiantar digo que são #fatobom e merecem ser pesquisados, divulgados e convidados. Não quis perder o momento da alegria de conhecê-los e fiz um texto curto, muito aquém do que merecem.

Conheçam vocês também, patrocinem, lancem, divulguem.

image

Veja a programação de lançamentos, convide para lançar em sua cidade!

Leia o resto deste post »

Maior que eu?

Postado em

Quem sou? Para onde vou? Todos já fizemos esta pergunta, mesmo sem estar louco, ou pedido, ou sob efeito de entorpecentes.

Somos humanos e vamos, pra onde?

Eu Maior apresenta diversas respostas sob o prisma da ciência, filosofia, religião e arte. Mesmo se não achar a resposta, vale a viagem.

Abaixo o filme completo e algumas das entrevistas. Vale também assistir Human e Home, outros documentários #fatobom!

Humano

Postado em Atualizado em

Yann Arthus-Bertrand já apareceu nas páginas do #fatobom em “De onde veio?”, pois por sua sensibilidade e perícia gerou o filme HOME, que mostra conexões não percebidas no planeta terra.

Desta vez Bertrand nos conta histórias lindas de seus habitantes, o nosso potencial, nossa resistência e também o lado sobrio, afinal não é só de luz que uma imagem é feita e ele como grande fotógrafo soube passar para o vídeo.

Só que este não é só um filme, é um projeto (clique aqui). Se emocione no filme e se envolva no projeto!

Abaixo algumas amostras (veja mais no youtube):

O que você vai ser quando envelhecer?

Postado em Atualizado em

O documentário “Envelecência” nos faz repensar a velhice e nos conta a história de jovens de mais de 60 anos,  que surfam, lutam, saltam de paraquedas,  correm maratonas, fazem tatuagem, etc. E você? Envelheceu antes da hora? Está na hora de lembrar que ainda tem muito a viver!

Dicionário Audiovisual – Altruismo

Vídeo Postado em Atualizado em

image

Não há nada errado em esperar algo em troca, seja do outro, seja da vida. O que você vem esperando? Quanto maior a espectativa maior a decepção quando o que se espera é retribuição.

O homem retratado no vídeo recebe de volta muito mais do que poderia esperar.

Genial e emocionante campanha da uma seguradora tailandesa Thai Life Insurance.

Altruismo é isto, agir pensando no bem do outro. Altruismo na dose certa é #fatobom.

Clique na foto ou no link a seguir para assistir o vídeo.