Se não acreditassem que podemos mudar?

Postado em Atualizado em

“A esperança é a capacidade de acreditar que o amanhã pode ser melhor que o hoje. ” O mote do movimento #fatobom nos lembra a importância da esperança no processo decisório, na deserção racional e até mesmo no ânimo de viver ou de escrever um artigo.

Há algum tempo não escrevia, estava perdendo a minha. Ao ver este vídeo, me despertou a lembrança dos períodos que trabalhei com celulose e papel, num mercado povoado por alemães, austríacos e… finlandeses. Pq renovou a esperança? It is veerrry complicated (os fortes entenderão).

O vídeo fala sobre a Valmet, que juntamente com a Metso (tandem finlandesa) dominam a tecnologia de ponta. Este domínio tem a ver com a mudança finlandesa como nação e a transformação de seu povo.

Vamos criar “ilhas de Finlândia” no Brasil e nos mudar sem sair do hogar?”

Princípio[s] Dignidade e Honra

Postado em Atualizado em

Assista o vídeo, talvez você se pergunte: qual o #fatobom ?

Leia abaixo somente depois de assistir.

Assistiu mesmo?

Se trapacear vai perder….

Se chegou a este ponto sem assistir, se corrompeu por menos de 5mim de seu tempo. Ainda há tempo de se redimir.

Então…

Por acaso você pensou, como eu, que há 30 anos pelo menos a situação dos éticos no Brasil é muito difícil (se sim, comente ou mande um email)? Eu cheguei a publicar a quase 20 anos sobre isso e finalizei um mestrado 15 anos atrás, onde me questionava sobre isso.

Qual seria então o #fatobom?

Começo dizendo que é a razão do #fatobom existir (Leia em fatobom.com/about), apontar uma luz para reacender a esperança dos corretos ou dos que desejam ser ou continuar corretos.

Pera, mas porquê perceber que sofremos por anos do mesmo mal é uma luz? Ou, “hoje está muito pior, não há luz nenhuma”.

Ao responder, para facilitar para mim e creio que para você, vou itemizar, talvez não concorde com tudo:

1) a diagnose é o princípio da cura. Somos um país de Fátimas (Não sabe quem é? Vídeo). O Brasil precisa de valores, de quem brigue por ele. Precisamos nos unir para isso, independente de ideologias e partidos (veja diálogos pelo Brasil);

2) A percepção de não estar sozinho nos ajuda a continuar no tratamento. Ao assistir o vídeo reconheci tantas Fátimas que escutei, quantos momentos que tive que ser enfático e brigar por valores. Antes o correto era o otário e a Fátima tinha orgulho, hoje percebo que isso está mudando lentamente;

3) Isto não está no vídeo, mas na minha percepção e observação de otimista racional: em 1999 as instituições que hoje nos dão orgulho e força para continuar eram inexistentes ou sucateadas (ex: PF, MPF, CGU, etc), além das instituições da sociedade civil insipientes e não existiam as redes sociais que fortalecem todas elas;

4) A família sempre ajuda no tratamento. A importância da família é fundamental. O Brasil não será curado ern uma geração, nem duas. Não espere que seus filhos, sobrinhos, irmãos, etc, sejam formados pela escola. Retidão se aprende em casa;

5) Valores são o remédio fundamenta para a cura desse país. E há como levar valores para educação nas escolas, empresas, clubes, em casa, etc. Há diversas iniciativas, a exemplo da Alive, vivendo valores na educação (Leia em fatobom.com algumas iniciativas, como a da ONU fatobom.com/2014/09/19/paz-um-dia-ou-uma-meta/amp/);

6) o vídeo leva a refletir, avaliar, diagnosticar, reconhecer, dialogar, etc.

Consciência, força e esperança, verdadeiro #fatobom.

Muita luz para atravessar a tempestade que nos cerca.

Obrigado pela paciência de chegar até aqui.

Marcelo Mollicone (26/11/2017)

O Filho Que Eu Quero Ter

Postado em Atualizado em

Nada mais dá esperança que uma criança.
A espera pelo filho que ainda não nasceu.
Ver o filho crescer, ser esperança para ele.
No seu legado, a imortalidade do ciclo da vida.
E quem sabe ser avó, prêmio aos bons pais.

Ps: Recomendamos clicar no vídeo abaixo para ouvir a música enquanto lê o texto do música em prosa.

https://youtu.be/CjUWxCCqWAw

musicaemprosa

Vinícius de Moraes, quando conta a história de como foi feita “O Filho que eu quero ter”, adjetiva como, ao mesmo tempo, “linda” e “patética”. Isso porque  na praia de Boa Viagem, no Recife, Toquinho contou a Vinícius sobre seu desejo de ter um filho. Experiente no assunto, o poeta respondeu algo como “Vai nessa! Dá trabalho, mas é muito bom.”

Resultado de imagem para toquinho e vinicius praia

Toquinho, então, mostrou-lhe uma melodia que havia composto inspirado naquele desejo, com uma levada típica de cantigas de ninar. Foi à praia e deixou o parceiro a embalar a música recém-composta.

Ao que consta, Vinicius emocionou-se ao escrever a letra. No fim da tarde, quando Toquinho retornou, o encontrou em prantos, com a letra da música nas mãos.

Percebe-se os três pedaços da música: No primeiro, o nascimento, o sonho e o amor de se ter um filho; a segunda parte, ao vê-lo crescer, ao perguntar um “porquê que não tem fim“, mas…

Ver o post original 336 mais palavras

Vida longa ao espírito justo.

Postado em Atualizado em

Esperança é a primeira que vai, ou a última?

Do ponto de vista de ser feliz esta visão interfere, visto que quem não espera menos sente, mas me nego a aceitar a realidade onde ser insensível ao outro seja nosso cenário evolutivo.

Nosso futuro será como dos marcianos de Marte ataca? Travestidos num sorriso e de armas em punho? Escolho acreditar que não.

É necessário agir como uma sociedade mais justa, mesmo num circulo pequeno.

Sim, o correto tem dificuldade de sobreviver ao escroto como indivíduo, no entanto, um cluster de corretos é mais forte que um amálgama de escrotos.

Ser gregário talvez tenha sido a grande evolução, compartilhada por diversos mamíferos, esquecida por boa parte dos homens.

Felizmente é a excessão que faz evolução, não a regra. Seja excessão, seja correto, tenha esperança, trabalhe para construir o futuro.